Limpeza da Corrente

Nem todo mundo tem o privilégio de possuir uma estradeira com cardam, e considerando a finalidade da motocicleta, nem cardam e nem correia se encaixam. Aí somente a conhecida corrente.

O mercado oferece uma gama muito grande de marcas, tamanhos e modelos diferentes e isso varia de acordo com o modelo da moto. Não tenha duvidas que as “ching ling” são mais baratas, mas duram muito menos.

O fato é que transmissões a corrente requerem mais manutenção. Se a moto for off road, não tenha duvida que a manutenção preventiva será a cada uso e a mesma terá que sofrer uma manutenção mais detalhada.

No caso das on road ou motos de asfalto, o período de manutenção vai depender do uso.  Se esporádico e andando apenas em tempo seco, a lubrificação é geralmente suficiente, seguido de uma boa lavada quando for também lavar a moto.

Em viagens, já requer que a lubrificação seja feita conforme a quilometragem rodada, ou seja, as estradeiras que engolem centenas de quilômetros por dia, requerem lubrificações constantes.  Por isso já existem diversos lubrificadores automáticos ou semi-automáticos, que fazem o serviço sozinho ou apenas apertando um botão.

Também há lubrificantes exclusivos e mais caros, específicos para correntes, os quais possuem maior aderência e capacidade lubrificante, estendendo o prazo para uma nova lubrificação.

Mas lembre-se, tudo depende do uso.  Uma simples chuva já muda tudo e exige mais lubrificação.

Na estrada, particularmente gosto de uma boa graxa a cada 350-400 km. No intervalo utilizo óleo 90 através do lubrificador semiautomático.

Mas tudo isso é uso.  O fato é que uma corrente para durar mais dependerá também de outro tipo de manutenção, a preventiva.

Tudo começa com adquirir o difícil habito de fazer isso.  Geralmente só nos preocupamos ou lembramos na hora que ouvimos o “inheq inheq”.  Por isso que há correntes exatamente iguais onde umas duram 40 mil km e outras apenas 15 mil km. Acredite, não é difícil e o processo preventivo vale a pena ser feito, até por segurança, afinal ninguém gostaria de ter a sua corrente quebrada no meio da rua, ou pior, no meio de uma viagem.

 

Então vamos lá.  Moto na garagem ou no quintal, materiais a serem utilizados à mão e um som pra deixar o ambiente mais descontraído

LAVAGEM

Tudo começa com uma boa limpeza no sistema de corrente, coroa e pinhão.

Mas só jogar água e sabão não é suficiente.  Porém evite utilizar produtos abrasivo-químicos que podem trazer consequências graves, como ferrugem e principalmente desgaste das pequenas borrachas, chamadas popularmente de retentores, que ficam entre os elos da corrente.  Essas borrachas é que fazem diferença nas melhores correntes, porque elas retêm óleo, mantendo a lubrificação constante do sistema. Essa borracha não tem reposição.  Uma vez rasgada, somente outra corrente.

Também evite o uso de óleo diesel.  Apesar de proporcionar uma boa limpeza, o óleo resseca borrachas, inclusive de outras partes da moto.

Existem produtos específicos para limpeza, mas na ausência deles, utilizo o querosene.

Esse produto tem característica bastante forte de limpeza, tirando restos de óleo, graxa, areia e terra, bem como também possui característica lubrificante.

Aplique com auxilio de um pequeno pincel mais duro, esfregando por toda a corrente.  Vá rodando a roda para limpar toda a extensão da peça.  Da mesma forma passe na coroa e no pinhão.

DICA: Procure fazer isso utilizando luvas e em local que possua contenção dessa sujeira, que não é recomendado jogar na natureza.  Uma sugestão é colocar uma bacia por baixo da relação, assim a sujeira vai caindo dentro do recipiente.

 

Em seguida utilize detergente ou xampu de limpeza, esfregando novamente com uma escova e bastante água para tirar o excesso de qualquer produto que ainda esteja no sistema. Existe no mercado escovas própria para limpeza de corrente de moto, mas na ausencia utilize essas domésticas, que possuem cabo.

IMPORTANTE: Jamais utilize a mesma escova que a sua esposa usa para limpeza da casa, pois você corre sério risco de por tudo a perder!

 

LUBRIFICAÇÃO

Aguarde secagem natural da corrente ou se disponível, aplique jatos de ar para secagem completa.

Em seguida lubrifique a corrente com óleo bem viscoso, o 90 por exemplo, ou utilize lubrificantes específicos. O uso da graxa é opcional, dependerá da finalidade do uso.  Mas, independente do uso ou não dela, nunca deixe de utilizar um lubrificante liquido também, o qual tem características que permitem adentrar junto às emendas e ficar retido nos retentores de borracha.

 

REGULAGEM

Por último, é importantíssimo proceder a regulagem da tensão da corrente, ou popularmente “esticar a corrente”.  Para isso proceda conforme o manual de sua moto, respeitando o limite de folga constante nas etiquetas coladas junto a balança da suspensão traseira.  Se não tem mais o manual e nem tão pouco a etiqueta, uma sugestão é fazer o processo de regulagem com a moto em posição de marcha (em pé sem uso do descanso central e com você ou alguêm) de modo que exista uma folga de aproximadamente dois dedos entre a corrente e a parte inferior da balança.

Faça essa medida utilizando o meio da balança.

Lembre-se que ao sentar ou colocar peso sobre a moto, a balança sobe e com isso a corrente fica mais esticada.  Considere isso no momento da regulagem, ela não pode ficar frouxa e nem muito esticada, sob pena de cair ou partir-se.

Aproveite para verificar se a corrente não está no final de seu curso (não há mais o que esticar), se os dentes da coroa e do pinhão não estão desgastados, quebrados ou tortos, como se estivessem "deitando".  Se encontrar alguma dessas situações, é melhor procurar seu mecânico de confiança porque provavelmente esta na hora de trocar a sua relação. Em casos onde não há mais espaço para esticar a corrente, evite retirar gomos da corrente para encurtá-la.  Provavelmente ela já estará muito desgastada e consequentemente fraca, sob risco de quebra.

Evite também as trocas separadas de componentes (corrente, coroa e pinhão).  Quando for substituir, faça por completo, principalmente se for pegar estrada.

É isso pessoal.  A corrente da transmissão tem vida útil diferente conforme modelo, marca, forma de utilização e manutenção.  Mas uma coisa é certa, quando melhor ela for limpa e lubrificada, mais tempo ira durar e consequentemente mais economia você ira ter.

 

Boa sorte e faça do hábito de manutenção, um momento de prazer com a sua moto!

 

Alcioni Fritz

©Trilheirosonline.com

2003 a 2019 Todos os direitos reservados.

Estamos nas Redes Sociais
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon